Países ricos e as Transferências financeiras dos BRICs

Um estudo recente da Escola de Economia de Paris, de Gastón Nievas e Alice Sodano, demonstra que países membros do BRIC estão transferindo anualmente o equivalente a R$ 3,4 trilhões para economias mais desenvolvidas.

Países ricos e as Transferências financeiras dos BRICs
Conteúdo

A soma de recursos é resultado das exportações de produtos de baixo valor agregado e da importação de tecnologia avançada, um padrão que tem sido observado em muitas nações em desenvolvimento.

Os pesquisadores também destacaram que essa transferência financeira está resultando em um fenômeno onde os quatro quintos mais pobres do planeta estão financiando o quinto mais rico com aproximadamente U$ 660 bilhões a cada ano. 

A perda de 2 a 3% do Produto Interno Bruto (PIB) dos países em desenvolvimento, representados pelo BRIC, devido a essas transferências é alarmante. Esse capital poderia ser direcionado para investimentos internos que impulsionariam o crescimento econômico e melhorariam as condições de vida das populações locais. Contudo, a dependência contínua dessas economias em relação às importações de alta tecnologia e a estrutura global do mercado financeiro dificultam a reversão desse quadro.

“Enquanto os países em desenvolvimento sofrem com a perda de recursos, parte significativa desses capitais é direcionada para as economias mais desenvolvidas, onde são investidos em diversos setores, incluindo tecnologia, infraestrutura e inovação”, explica Luciano Bravo, CEO da Inteligência Comercial e Mentor do Crédito Internacional.

Para Luciano, esses fluxos de capital internacional podem tanto beneficiar quanto prejudicar os países em desenvolvimento. “Por um lado, o investimento estrangeiro pode trazer conhecimento, tecnologia e oportunidades de emprego, estimulando o crescimento econômico e o desenvolvimento. De outra forma, a dependência excessiva desses países em relação ao capital estrangeiro pode criar vulnerabilidades, como a instabilidade financeira e a perda de autonomia nas políticas econômicas”, diz.

O Mentor do Crédito Internacional explica que países em desenvolvimento devem promover políticas que atraiam investimentos de forma sustentável, ao mesmo tempo em que fortalecem suas capacidades produtivas internas. “Isso pode envolver a adoção de medidas para melhorar o ambiente de negócios, garantir a estabilidade macroeconômica e promover a inovação e o desenvolvimento de habilidades locais”, finaliza.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × 1 =

Posts recomendados

Mercado de crédito enfrenta problemas?

Mercado de crédito enfrenta problemas?

Em meio a um cenário de exaltação no mercado de crédito, com números recordes de emissões de debêntures e outros instrumentos de dívida corporativa no primeiro trimestre de 2024, surge um indício preocupante: a festividade parece estar perdendo sua vitalidade.

CONTINUAR LENDO »

A Inteligência Comercial é a representante exclusiva da Savel Capital Partners no Brasil, para operações de crédito.

Savel Capital Partners é a única representante do Kennedy Funding Financial para o Brasil.

Savel capital partners